27 de abril de 2017

Greve Geral: Sua empresa também irá parar?


Se você abrir um bom portal ou site de notícias vai perceber que a greve geral prometida para amanhã, dia 28 de abril está no topo das principais colunas. E você (como gestor de equipes) já se perguntou se a sua empresa também irá aderir a causa?

Diversas centrais sindicais convocaram uma greve geral de trabalhadores para esta sexta-feira em um protesto contra as reformas trabalhista e da Previdência que tramitam na Câmara dos Deputados e podem ser votadas nas próximas semanas. A greve geral o é organizada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) e pelas frentes de esquerda Brasil Popular e Povo Sem Medo, que têm participação de diversos movimentos sociais.

Independente do seu envolvimento político com a situação nacional, como gestor em recursos humanos você precisa estar atento e ligado aos sindicatos dos quais sua organização possui ligação.

Em São Paulo, ao menos cinco categorias nas setores de transporte, bancário e de educação já confirmaram que vão aderir a ideia de #GreveGeral. Outros sindicatos brasileiros farão assembleias ao longo desta semana para decidir sobre sua participação. Pode haver paralisações que durem poucas horas até greves que durem o dia inteiro. Agora, confira abaixo as categorias da região metropolitana de São Paulo que decidiram aderir ou farão assembleias sobre o tema:

  • Sindicato dos Metroviários de São Paulo: As linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha, 5-Lilás e o monotrilho da linha 15-Prata do Metrô devem parar na sexta-feira (28), após os funcionários aprovarem, em assembleia no dia 11 de abril, participação na greve geral. Apenas a linha 4-Amarela, administrada pela empresa ViaQuatro, vai funcionar.
  • Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo: Por meio de sua assessoria de imprensa, o sindicato dos motoristas de ônibus disse que haverá paralisação dos ônibus por 24 horas, a partir das 0h do dia 28. A decisão é válida apenas para os ônibus que circulam dentro da cidade de São Paulo, e não afeta o transporte dos ônibus metropolitanos. De acordo com a assessoria, a decisão por aderir ao movimento foi tomada na manhã desta terça-feira (25).
  • Sindicato dos Ferroviários de São Paulo: As linhas 7-Rubi e 10-Turquesa da CPTM não vão funcionar a partir de 0h do dia 28 e devem ficar paralisadas por 24 horas, segundo o site do Sindicato dos Ferroviários de São Paulo. Não há informação sobre o funcionamento das outras linhas administradas pela companhia. Os ferroviários decidiram aderir à greve geral em assembleia nesta terça-feira (25).
  • Correios: A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos, que reúne todos os sindicatos regionais da categoria, decidiu que vai entrar em greve por tempo indeterminado a partir do dia 28. Cabe a cada sindicato estadual decidir se adere à decisão da federaçnao nacional. Funcionários dos Correios devem realizar uma assembleia na quarta-feira (26) para discutir o assunto. A direção do sindicato de São Paulo é favorável à greve.
  • Sindicato Nacional dos Aeronautas: Pilotos e comissários de voo de todo o país devem decidir em assembleia nesta quinta-feira (27) se haverá paralização no dia seguinte. A categoria já decretou estado de greve nesta segunda-feira como um indicativo de que pode parar. “É um alerta aos governantes e parlamentares, em respeito a toda a sociedade, de que a qualquer momento a categoria poderá deflagrar uma greve”, diz o comunicado oficial no site do sindicato.
  • Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo: A maior parte das agências bancárias na Grande São Paulo deve fechar durante a sexta-feira. Cerca de 80% dos funcionários de bancos da região metropolitana de São Paulo aprovaram a paralisação no dia 28, em assembleias realizadas localmente. Cada agência devem decidir se abrirá ou não de acordo com o número de bancários que comparecerem ao trabalho.
  • Sindicato dos Professores de São Paulo: O sindicato dos professores de escolas particulares do Estado de São Paulo informa, em seu site oficial, que vai aderir à greve do dia 28.
  • Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo: Os professores da rede pública estadual em São Paulo decidiram aderir à paralisação do dia 28 em uma assembleia no dia 31 de março. Além de ser contra as reformas trabalhista e da Previdência, a categoria também reivindica reposição salarial de 22%.
  • Sindicato dos Metalúrgicos do ABC: A diretoria dos metalúrgicos do ABC decidiu apoiar a greve desta sexta-feira. Nesta terça (25), centrais sindicais e sindicato já organizaram um atraso na entrada de trabalhadores nas montadoras como prévia da greve no dia 28..

AVISO IMPORTANTE: Lembre-se de verificar se empresas envolvidas indiretamente com seus colaboradores estarão trabalhando normalmente nesse período, como empresas de transportes, logística e etc.

E em outros estados, como vai funcionar? Confira abaixo:

  • Rio de Janeiro: Motoristas , cobradores e fiscais de transporte público decidiram em assembleia realizada nesta segunda-feira (24) aderir à greve geral, assim como os bancários da capital fluminense. Os metroviários ainda não decidiram se vão participar da mobilização nacional. Na educação, todos os professores também aderiram à paralisação.
  • Belo Horizonte: Os motoristas de ônibus e demais trabalhadores rodoviários da capital de Minas Gerais decidiram em assembleia realizada nesta segunda aderir à greve geral. Cerca de 16 mil pessoas não devem trabalhar.  Os bancários de Belo Horizonte aprovaram sua participação no movimento. Já os professores deixaram para decidir no próprio dia da greve.
  • Outras capitais: Os rodoviários, metroviários e bancários do Distrito Federal, de Recife e Porto Alegre também vão aderir à greve, assim como os professores. A partir da meia-noite do dia 28 de abril, todas as categorias vão paralisar suas atividades.
Veja quais são as categorias que já confirmaram a paralisação na sexta-feira, segundo a Intersindical e a CUT:
  1. Metroviários SP
  2. Metalúrgicos SP
  3. Rodoviários SP e do Acre
  4. Sintusp – Trabalhadores da USP
  5. Professores Estaduais
  6. Educadores Municipais
  7. Sintaema – Trabalhadores da Sabesp, Cetesb e Fundaçao Florestal
  8. Eletricitários
  9. Bancários SP
  10. Portuários de Santos
  11. Rodoviários de Santos
  12. Correios SP
  13. Portuários ES
  14. Sindsef – Servidores Federais
  15. Sinsprev
  16. Sintrajud – Judiciário Federal
  17. Sindjesp – Judiciário Estadual
  18. Siemaco Baixada Santista
  19. Químicos SP
  20. Químicos SJC
  21. Andes
  22. Rodoviários Santos
  23. Rodoviários de Guarulhos
  24. Rodoviários de Osasco
  25. Rodoviários de Campinas
  26. Rodoviários Vale do Paraíba
  27. Rodoviários do ABC
  28. Sindicato da Alimentação SJC
  29. Metroviários BH
  30. Metroviários RS
  31. Metroviários Recife
  32. Metroviários DF
  33. Aeroviários SP
  34. Aeroviários RJ
  35. Rodoviários RJ
  36. Professores da rede privada
  37. Trabalhadores da limpeza urbana (Garis e coleta de lixo)
  38. Professores Municipais de Suzano
  39. Sindicato da Alimentação de SP
  40. Vigilantes de SP
  41. Servidores Municipais de SP
  42. Sindicato da Construção Civil
  43. Petroleiros do Litoral Paulista
  44. Sindimoto – Motociclistas, Mototaxi, mensageiros
  45. Sindicato dos Vigilantes
Entre outras... Fique atento e saiba como lidar corretamente com as informações e leis perante a sua equipe de trabalho.

Fonte: Isto É