16 de março de 2013

Homossexualidade e muita polêmica dentro da sua empresa

Depois de ler diversas matérias na internet sobre o (mal) comportamento das pessoas, e até mesmo, alguns gestores, dentro das organizações do Brasil e do mundo, perante a assuntos ditos "modernos", como violência verbal ou física, desvio de informação, homofobia, guerra entre cargos, entre outros.

Já deu pra perceber, que essa postagem será polêmica né? E esse é o principal motivo dela estar aqui! Quero levantar este debate - pergunto à você e sua empresa: vocês sabem lidar com essas questões? Já vivenciaram tais experiências?

Como a homossexualidade é tratada no ambiente corporativo na sua empresa?

Muitas organizações têm um discurso no mínimo "bonitinho", de responsabilidade social e de inclusão de minorias em seus departamentos. Mas, ao ouvir um homossexual descrever a vida corporativa, tudo muda de figura.

Até hoje existem casos de gays agredidos verbal e fisicamente no seu ambiente de trabalho, mesmo em corporações com política de diversidade.

O homem branco heterossexual tem muito mais facilidade para progredir na carreira do que o gay. No caso de homens homossexuais, eles são bem aceitos quando são cabeleireiros, comissários de bordo, profissionais das artes, que são carreiras atualmente associadas às mulheres. Fora isso, os gays assumidos esbarram em tetos invisíveis.

Esta dificuldade de crescimento profissional existe mesmo em companhias com políticas de inclusão estabelecidas e até mesmo, multinacionais.

Afirmo que sua empresa não precisa ser colorida, tão pouco pintar um arco-íris na fachada. Mas, precisa profundamente estudar, entender e respeitar a diversidade presente hoje no mundo dos negócios e do planeta. Acredito sim, que este é (se não o único), um dos caminhos mais fáceis e promissores para ser seguido nos dias de hoje.

Como um hétero deve agir com um gay no ambiente de trabalho para torná-lo harmonioso?

Este não se deve vitimizar os homossexuais nem dar regalias à eles. A proteção deve existir apenas para não permitir ataques, ou atitudes homofóbicas de colegas, superiores ou departamentos.

Se a empresa fizer vista grossa para discriminações pontuais, pode haver repetições, e assim caracterizasse o assédio moral. Hoje, podemos constatar infinitos casos, de agressões verbais, morais e até mesmo, físicas, que ocorreram dentro de diversas organizações, sejam pequenas ou de grande porte.

Vale lembrar que você, como um gestor de recursos humanos, que busca atualizar-se, entender e principalmente propiciar o desenvolvimento integral de sua organização, precisa saber como lidar com este assunto.

Para saber mais sobre esse assunto, indico a matéria que saiu na Revista Exame, "Empresas ainda falham na inclusão de homossexuais"