17 de janeiro de 2014

Vamos conhecer a nova gestão de pessoas

Gestão em Recursos Humanos - Vamos conhecer a nova gestão de pessoas

Podemos dizer que a gestão de pessoas vem tendo, cada vez mais, um maior destaque nas organizações (sejam elas: pequenas, médias, ou até mesmo, de grande porte), deixando de passar de um simples setor de promoções e preocupações com a qualidade de vida no trabalho, para ser um setor chave na estratégia de crescimento e alcance do sucesso.

Antigamente, todos nós sabíamos que a gestão de pessoas trabalhava simplesmente comprando mão-de-obra exercendo mais uma função contábil. Após algum período, surgiram as leis trabalhistas, e o setor de Recursos Humanos começou a exercer esse papel de legalidade dentro das Organizações, e a partir daí a Gestão de Pessoas começou a tomar face do que hoje realmente é, sendo responsável por treinar e melhorar a qualidade de vida no trabalho.

Gestão em Recursos Humanos - Vamos conhecer a nova gestão de pessoas
 
Nesse momento, o colaborador começou a ser visto de outra forma, não como custo, mas como o ativo que irá trazer resultado para as organizações e que será o seu diferencial competitivo dentro do mercado.
Hoje o setor de recursos humanos se torna uma parte chave para a organização alcançar os objetivos tornando-se um setor staff, e que irá possibilitar a empresa alcançar sua visão de futuro. As empresas que vêm investindo em seu pessoal tem tido um desenvolvimento muito maior e sólido. Podemos constatar isso através de dados de Empresas da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Se um indivíduo tivesse realizado uma aplicação de R$ 100 reais no inicio do ano 2000 nas empresas que se encontram entre as “Melhores Empresas para se Trabalhar”, pesquisa feita pelo Great Place to Work junto à revista Época, teria em 2009 um montante de 1,205 mil reais. Já, se esse investimento tivesse sido feito em empresas que não constam na lista, esse montante seria de 409 reais, um crescimento quase três vezes menor.

Com a velocidade com que as mudanças têm ocorrido, fica cada vez mais difícil surgirem oportunidades, e não se pode deixar que elas passem, para isso, as organizações precisam estar bem capacitadas. Muitas vezes escutamos que a sorte é o encontro da oportunidade com a capacidade, e são algumas oportunidades juntas com a capacidade de aproveita-las, que fazem com que empresas tomem um caminho vencedor.

Por esses motivos a nova gestão de pessoas tem se tornado um setor indispensável para as organizações. A gestão de pessoas deve trabalhar, estrategicamente, os potenciais das organizações através de uma gestão por competências e do conhecimento, que é hoje o grande diferencial competitivo das organizações.

Esta gestão de pessoas, tem cinco grandes atribuições, e que podem ser resumidas em três que é Movimentação (Provisão, Aplicação e Desligamento), Capacitação (Desenvolvimento) e Valorização (Manutenção e Monitoração) que iremos detalhar a seguir.

Gestão em Recursos Humanos - Vamos conhecer a nova gestão de pessoas
 
Essas são:

Provisão de Recursos Humanos: Realiza o Recrutamento e Seleção de novos potenciais para organização, deve ser feita de forma organizada e criteriosa. Deve-se saber quais são os requisitos de Conhecimentos, Habilidades e Atitudes para os cargos em aberto, alinhado aos objetivos da organização para que possam ser alcançados. Isso exige responsabilidade e conhecimento de quem recruta e seleciona, pois, ao recrutar, o individuo esta atraindo um candidato a vaga e, ao selecionar, este assume os riscos de adaptação ou não do novo colaborador a empresa e, caso este último não se adeque a cultura da empresa e aos serviços prestados, pode vir a gerar conflitos operacionais e de clima organizacional.

Portanto, o recrutamento deve ser feito de acordo com o perfil que se deseja para a organização e a seleção deve ser realizada com cautela para não por em risco a empresa.

Aplicação de Recursos Humanos: Nesse ponto a Gestão de Pessoas realiza a integração de Colaboradores, ou seja, a socialização com os demais colaboradores e a integração com os serviços os quais o funcionário irá prestar; a aplicação dos potenciais da organização estrategicamente para criação de sinergia e melhor aproveitamento do potencial da empresa aliado ao do novo colaborador.

Desligamento: O desligamento de um funcionário da empresa pode dever-se a vários fatores, tais como: substituição, redução de quadro, identificação de outras oportunidades por parte do funcionário, mudança de funcionário em relação ao setor que o mesmo trabalha, dentre outros.

A substituição ocorre por vários motivos, o funcionário não se adequa a empresa por questões de insatisfação da empresa para com os serviços prestados do mesmo, por não identificação do funcionário com a cultura organizacional, ou ainda por relações interpessoais fracassadas entre membros componentes à empresa, e este problema pode ser prevenido corretivamente através de um recrutamento bem feito. A redução de quadro diz respeito quando a empresa, por questões financeiras ou reestruturação, precisa diminuir o número de funcionários.

Matéria publicada no site Crescimento Empresarial.